Arquivo de outubro \31\UTC 2009

Italianos um pouco revolucinàrios

Nao to conseguindo manter isso aqui atualizado. Mas tà. Depois do acampamento da AFS, no final de semana seguinte, no caso o passado, fui pra Viterbo na casa da Diana (brasileira), no sàbado dormi là e no domingo fomos com a famìlia dela pra Perugia, uma cidade onde estava tendo a EuroChocolate. Nossa, que sonho! Hahahaha, tinham todos os tipos de chocolate possìveis! Depois ninguém sabe porque intercambista volta gordo. Là encontramos dois voluntàrios da AFS e duas garotas da Noruega. Voltei pra casa de trem, morta, e nao fui pra aula na segunda-feira, pra ficar estudando (?) em casa, porque tinha aula de ingles e a professora tinha dito que logo menos ia me interrogar, como eu nao tinha estudado, fugi né. Daì na terça-feira fui pra escola, e recebi a linda e maravilhosa notìcia de que na quarta começava Occupazione! Yayyy! Os italianos sao um tanto quanto revolucionàrios, qualquer coisinha é motivo pra manifestaçao. E minha escola é mais do que revolucionària, todos os anos eles fazem essa “Occupazione”, os alunos um dia chegam na escola e nao deixam ninguém subir pra aula, ficam na porta barrando, e uma certa hora mandam todo mundo ir pro pàtio, e começam uma assembléia. Ninguém vai pra aula, como forma de manifesto, contra por exemplo o Berlusconi (na verdade nem teve um motivo bom esse ano, é mais pra vagabundear). Aì eles sobem na diretoria, umas 50 pessoas, “pedindo” as chaves da escola… Chega a hora de fechar a escola, os funcionàrios vao embora, e os alunos ficam. Dormem na escola, e na manha seguinte nao deixam nenhum funcionàrio da escola entrar, apenas os da cantina, lògico. Estamos assim desde quarta-feira, e acho que amanha, domingo, acaba. Poderia durar mais, mas os alunos estao um tanto quanto “desunidos” e nao eram todos que apoiavam a Occupazione. Sao poucos que estao dormindo la, ou até mesmo aparecendo durante o dia, portanto nao està funcionando! Durante o dia o pessoal vai pra là e os alunos organizam aulas, palestras, hoje tivemos uma aula sobre Marx, ontem teve uma palestra sobre o caso de um rapaz que foi espancado por policias apòs ser abordado com algumas gramas de drogas, quebraram a mandìbula dele, e ele estava preso e nao conseguia comer, ele estava muito muito magro, e foi levado pro hospital. Nao deixaram os pais dele ve-lo, porque disseram que nao tinham autorizaçao da polìcia, e o rapaz morreu antes de poder ver os pais. Semana passada teve manifestaçao por causa disso (nova). Bom, os alunos fazem muitas coisas, e eles sempre me perguntam se nòs temos Occupazione no Brasil, hahaha, eu sempre digo que nao, e que no Brasil nòs nao somos tao revolucionàrios como aqui, nao fazemos manifestaçoes, etc.. Hoje é Halloween e eles vao fazer uma festa là, com direito a dj. Mas eu nao vou porque vou em uma outra festa com o meu irmao! Finally, nao aguento mais finais de semana entediantes.

Ah! E mais uma coisa, na semana seguinte depois do acampamento saì na quinta-feira com o pessoal da minha classe, para a Cena di classe (Janta da classe), fomos comer pasta (nova), me diverti muito. Eu nunca tinha saìdo com eles, e foi muito bom pra eu me aproximar, os meninos finalmente descobriram que eu entendo e falo em italiano, e agora conversar comigo na escola! Acho que é sò isso, depois conto do meu Halloween!

Etc. e tal

Quando chegar o momento
Esse meu sofrimento
Vou cobrar com juros, juro
Todo esse amor reprimido
Esse grito contido
Este samba no escuro
Você que inventou a tristeza
Ora, tenha a fineza
De desinventar
Você vai pagar e é dobrado
Cada lágrima rolada
Nesse meu penar

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Inda pago pra ver
O jardim florescer
Qual você não queria
Você vai se amargar
Vendo o dia raiar
Sem lhe pedir licença
E eu vou morrer de rir
Que esse dia há de vir
Antes do que você pensa

(Chico Buarque)

T.U.D.

Julie (Belgica), Io, Milechka (Rep. Dominicana) e Aylin (Turquia)
Julie (Belgica), Io, Milechka (Rep. Dominicana) e Aylin (Turquia)

5 de outubro de 2009,

Durante a aula teste de corte e costura foi como um intercambio, 10 meses em 3 horas. Nao que se encaixe a minha situaçao atual, mas quem sabe a de daqui alguns meses – mas o final estou certa de que serà diferente. Nos primeiros minutos eu estava empolgada, imaginando o que me esperava, mas com o passar do tempo fui ficando entediada, pensando em ir embora logo. Mas entao foi ficando legal de novo, e eu nao queria mais ir embora. Mas no fim eu estava satisfeita com o tempo que passei ali, e nao sentia necessidade de voltar.

 

Dia 15 fui para um acampamento da AFS, em Artena, que nòs temos quando completamos 6 semanas aqui – um mes e meio jà? – para conversar sobre as familias, escolas, experiencias, e para dar algumas orientaçoes! Nossa, acho que foi um dos melhores finais de semana que eu tive nos ultimos tempos, ficamos até o dia 18, e no ultimo dia eu estava quase chorando porque nao queria ir embora! Sò tinha uma brasileira e um portugues, e mais 35 pessoas de nacionalidades diversas, porém todos ali estao na mesma situaçao. Sem grandes amigos na escola, sentindo saudades… Alguns com problemas na familia. Entao todos todos se uniram muito, conversaram muito, riram muuuuuito. Ai, quero voltar.

Learning

Aylin, Simin, Io, Diana

Aylin, Simin, Io, Diana

Nao gosto de frases e textos prontos, mas as vezes eles descrevem “tudo” o que os nossos milhoes de sentimentos tentam nos mostrar. O cliche é real. Tantas coisas passam pela minha cabeça agora, que eu nao saberia por onde começar.

 

Depois de algum tempo, você aprende a diferença, a sutil diferença, entre dar a mão e acorrentar uma alma. E você aprende que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança. E começa a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas. E começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança.
E aprende que não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam.E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai feri-lo de vez em quando, e você precisa perdoá-la por isso.
Descobre que se leva anos para se construir confiança e apenas segundos para destruí-la, e que você pode fazer coisas em um instante, das quais se arrependerá pelo resto da vida.
Aprende que, ou você controla seus atos ou eles o controlarão, e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem dois lados.
Aprende que quando está com raiva tem o direito de estar com raiva, mas isso não te dará o direito de ser cruel.
Aprende que com a mesma severidade com que julga, você será em algum momento condenado.
Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára para que você o conserte.
Portanto, plante seu jardim e decore sua alma, ao invés de esperar que alguém lhe traga flores.
Nossas dádivas são traidoras e nos fazem perder o bem que poderíamos conquistar se não fosse o medo de tentar.

(Shakspeare)

 

Aprendendo que certas coisas que passam despercebidas no dia-a-dia fazem muita falta. E que voce sente saudades de quem nem podia imaginar… Infelizmente nao sente tanta de outros… Descobre o valor de uma amizade… E que grandes amizades começam do nada. Até mesmo com alguém que fala uma lingua X.

Trechos de um diàrio, nao tao diàrio.

DSC05712

6 de outubro, de 2009.

Depois de desviar de uma enorme poça d’àgua e quase ser prensada na parede por mais um estrangeiro mal-educado, caminho praticamente sozinha por um gélido e longo corredor do metro. De longe ouço o som de um violao e a primeira coisa que vem a minha mente é “mais um tentando ganhar a vida pelas “ruas” de Roma…”, e esse era jovem… Assim que começo a me aproximar ele começa a cantar – mas ainda estou distante… – e mais uma vez algo vem a minha mente. “Porque cantar dentro de um corredor que ecoa, meu Deus, assim ele nao vai ganhar nada.”. Ao chegar realmente perto foi como se eu tivesse engolido todas as minhas palavras. Sò lembro do trecho “blue sky, blue sky…”. Foi uma mùsica que entrou em mim, o tipo de coisa que acontece em poucos segundos, por poucos segundos. Em mim surgiram sentimentos até entao “desconhecidos”. Uma tristeza tomou conta de mim. Nostalgia. Vontade de chorar. Passou.

Um pouco apòs passar pelo rapaz fiquei muito curiosa quanto ao nome daquela mùsica. Pensei em voltar para perguntar. Nao, nao queria parecer estranha…

 

7 de outubro, de 2009.

Enquanto andava pela Via del Corso com a Alessia resolvi dar uma parada para mostrar a bota da qual eu jà tinha falado no minimo dez vezes, mas ainda nao tinha mostrado. A Via del Corso é uma rua enorme, tipo uma avenida, onde tem milhoes de lojas. E essa bota eu poderia encontrar em muitas delas, mas nao, foi ali que eu resolvi parar, naquela loja. No instante em que tocava a mesma mùsica do metro, que eu ouvi ontem. Por um momento nao me dei conta de qual musica se tratava, mas assim que saìamos da frente da loja a Alessia começou a canta-la. Entao me dei conta do que se tratava, mas nao apenas de que era a musica de ontem, e sim de qual musica era aquela. E’ claro que eu a conheço! Um dia uma amiga jà mostrou-a a mim.

Talvez agora os sentimentos estranhos que eu senti naquele momento, ontem, fiquem mais mais claros.

 

“So, so you think you can tell
Heaven from Hell
Blue skies from pain
Can you tell a green field
From a cold steel rail?
A smile from a veil?
Do you think you can tell?”