Arquivo de julho \29\UTC 2009

Beatles for Sale

No momento estou ouvindo o álbum Beatles for Sale, que por sinal não é dos meus favoritos.. Aliás, um dos que eu menos gosto, mas está aqui no meio da pasta “Beatles”, então tudo bem. No momento toca: Honey Don’t – “Well, I love you, baby, and you ought to know I like the way that you wear your clothes. Everything about you is so doggone sweet. You got that sand all over your feet…”.

Ontem fui em um sebo. Contente em achar um disco do John Lennon baratíssimo, no meio de apenas uma solitária – não tanto, mas as outras continham o mesmo conteúdo – caixa na entrada da loja, resolvi dar uma olhada no resto da loja… Foi então que me deparei com uma infinidade de discos. Deus! Foi aí que eu fiquei maluca em meio a tantas opções, e encontrei o fantástico álbum duplo, “The Beatles – 1967 – 1970”, e claro, levei na hora. Ao chegar em casa, a primeira coisa que fiz foi ouvi-lo bem alto, e lógico, adorei, como já era previsto. Mais ainda do que já adoro ao ouvi-lo no meu iPod… O som da vitrola é nostálgico, e dá outro ar a música.

Ouvir o disco do John Lennon então, foi melhor ainda. Músicas que eu ouvi minha infância toda, e nem me lembrava. Ao começar a ouvir, fui reconhecendo uma a uma… Minha little raiva pelo disco solo do Lennon passou. Até esqueci da existência da Yoko Ono.

Enrolei tanto ao escrever esse post que já estou no álbum A Hard day’s Night...

Compleanno!

compleanno

compleanno

Oi! Dia 23 foi meu aniversário… Chegou tão rápido! Nem deu tempo de ficar ansiosa, e ao mesmo tempo que chegou, passou. Mas foi muito bom, comemorei com pessoas especiais, faltaram algumas, e via internet onde tudo fica mais fácil de ser dito, recebi surpresinhas boas. As pessoas esperam datas como essa para dizer algumas coisas que gostariam de dizer, coisas que podem estar guardadas na garganta delas desde o seu último aniversário… Ou opiniões que foram se formando com o tempo, e só precisavam de um empurrãozinho – como uma data especial como essa – para serem ditas. Faz bem ouvir o que as pessoas tem a dizer. Sou do tipo que fica horas e horas imaginando o que estão pensando, e lógico, na maior parte dos casos estou errada, não consigo entender nem meu próprio pensamento. Em atitudes como essas muitas coisas são esclarecidas.

Recebi ligações que eu nem esperava. Pessoas que eu não imaginei que pudessem fazer isso, demonstrações de carinho absurdas. Mesmo que sem querer. E até os últimos minutos!! E sempre válidas.

É, da mesma forma que não consigo entender meus próprios pensamentos, não sou tão boa pra expressa-los. Isso aqui já está ficando estranho…

São pensamentos soltos, traduzidos em palavras

Se as coisas que tenho a dizer estão todas pela metade, e podem soar
insignificantes aos ouvidos de outra pessoa, é porque estão à sua
espera para fazer sentido. Só você pode entender o que quero dizer,
pois tem a chave que me falta. Só você tem a outra parte da história.
(Nove noites – Bernardo Carvalho)

O que você pensa, é você quem pensa. Não adianta tentar explicar, mil e uma palavras não serão suficientes. Nunca, ninguém vai conseguir compreender por completo um pensamento seu.  É só seu.

ORCA

várias 030

Esse final de semana tivemos nosso primeiro ORCA (Orientação Regional de Candidatos). Hm, eu gostei muito! Tirando a parte das atividades que era um pouco cansativo… E tirando também toda a parte negativa e desilusão! Mas creio que isso faça parte, pra ninguém criar meeesmo muitas expectativas, porque não deve ser fácil se adaptar, em qualquer país que seja. Nem sempre é fácil conviver com uma outra família, de oura cultura, na verdade acho que quase nunca. Fora isso, as horas livres foram legais, deu pra conhecer maior galera, fazer amizade, trocar muitas idéias! Ouvir um pouco de cada futura família hospederia, de cada país, e ver que de país pra país muda muito, é o que nos aguarda. Foi como se nos conhecessemos há muito tempo… Em poucas horas já estavamos conversando muito, e sobre muitas coisas. Até cortarem nosso barato, mas ok. Hahaha. Por mim, teria ficado lá mais uma noite.

It’s been a hard day…

“A Hard Day’s Night” teve seu título sugerido por Ringo. Após um dia exaustivo de trabalho Ringo disse “It’s been a hard day…and I looked around and saw it was dark so I said, …night!” (“Foi um dia duro… e eu olhei ao redor e vi que estava escuro, então eu disse, …noite”). Os dizeres de Ringo inspiraram o título do filme e consequentemente da música. Embora creditada a Lennon/McCartney, foi John quem compôs a música e a cantou também. Paul o acompanhou no vocais em alguns trechos. (…) (Wikipédia)

Talvez agora se encaixe um pouco mais.

Outra coisa que ouvi falar sobre intercâmbio é que nos primeiros dias, ou semanas, não sei, você dorme muuuito! Porque o seu cérebro cansa muito por ouvir uma língua até então estranha, a qual você não está habituado. Você tem que pensar mais do que o normal, tem que fazer esforço pra entender o que estão dizendo… Ir dormir as 20 horas torna-se algo comum.

Hey Jude, don’t be afraid

Já ouvi algumas pessoas falando que chega uma hora em que você começa a sonhar na língua do país em que você está. Deus! Que coisa doida! Não consigo imaginar como seja isso, mal lembro dos meus sonhos em português, se eu começar a sonhar em italiano – e lembrar – vou ficar maluca…

Pode parecer estranho um título em inglês para um blog que a princípio vai contar aventuras na Itália.. Mas se eu contar que, desde maio do ano passado quando eu entrei pra seleção do intercâmbio e me tornei uma AFSer, depois fui aceita pra itália (êêe), depois recebi família, e até agora que eu estou contando os dias (69), tive Beatles como minha trilha sonora, parece sensato, não? E nada mais justo do que tomar essa música como título quando mesmo numa das cidades mais belas do mundo, estar tão longe será difícil. Serão noites em que eu vou vir escrever aqui ao final dos dias, ao final dos difíceis dias,  nos quais vou enfrentar problemas e me deparar sempre com novidades. Embora a princípio pareça complicado, no final a conclusão será de que tudo foi muito bom e valeu a pena! Bom ou ruim, pra mim sempre vale a pena!

Across the Universe

Embora haja um medo que me rodeie, há momentos em que eu sinto vontade de fazer minha mala e ir JÁ! Descobrir logo tudo o que tem nesse outro país, nessa outra cidade, como é essa outra família! Ir e entender o quanto é difícil fazer parte de uma rotina que não fala a mesma língua que você, literalmente. Desvendar a convivência com uma irmã que eu nunca tive. É difícil quando você está esperando há tanto tempo… E agora que só faltam dois meses e nove dias, parece ainda ser uma eternidade. O tempo está passando rápido, provavelmente vá chegar rápido, e pelo que dizem, quando se chega lá, arrepende-se por não ter aproveitado tanto os últimos momentos no Brasil como era merecido. Mas depois se você pensar bem… são apenas dez meses, 300 dias, isso é muito pouco, muito pouco pra quem vai passar pelo menos um mês sem entender tudo o que falam, agora são apenas 270 dias. Tem as horas de sono também… isso já reduz mais uns bons dias, vamos dizer uns 70… agora, só 200! É muito pouco.. Não quero mais voltar!